BIBLIOFILIA (16.06.2017)
DESCRIÇÃO PREÇO
8177

1ª EXPOSIÇÃO DE EX-LIBRIS
Da colecção do Exmº Senhor Artur Mário da Mota Miranda.
Associação Portuense de Ex-libris. Salão Silva Porto. Porto. MCMLV. In-8º de IX-III-104 págs. de texto e 20 págs. de estampas. Br.
Catálogo com uma tiragem de 500 exemplares, reproduzindo cerca de 50 ex-libris.
Em muito razoável estado de conservação; as últimas folhas têm vestígios de humidade.

10,00 €
10970

CANTO (JOSÉ DO) - COLECÇÃO CAMONIANA DE JOSÉ DO CANTO
Edição comemorativa.
Lisboa. Imprensa Nacional. 1972. In-fólio de [9]-XI-I-357-V págs. Br.
Edição facsimilada da 1ª edição de 1895 "Collecção Camoneana de José do canto - Tentativa de um catalogo methodico e remissivo".
Prefácio de Hernâni Cidade.

De Wikipédia, por bastante informativo, transcrevemos:

"José do Canto (Ponta Delgada, 20 de Dezembro de 1820 - Ponta Delgada, 10 de Julho de 1898) foi um grande proprietário e intelectual açoriano, que se distinguiu como bibliófilo e como promotor da introdução de novas culturas e tecnologias agrícolas nos Açores. Era um amante da jardinagem e um botânico amador de nomeada, a ele se devendo a plantação do Jardim José do Canto, em Ponta Delgada, um parque de excepcional beleza e diversidade florística. Foi um apaixonado pela obra de Luís de Camões, reunindo uma colecção camoniana que inclui obras de grande raridade.
"José do Canto foi filho do rico morgado e político José Caetano Dias do Canto e Medeiros e de sua mulher Margarida Isabel Botelho, ambos ligados às mais importantes e ricas famílias das ilhas de São Miguel e Faial. Foi irmão do também bibliófilo Ernesto do Canto.
"O pai tinha uma cultura invulgar para o tempo, tendo decidido educar esmeradamente os filhos. José do Canto iniciou os seus estudos aos 5 anos de idade, tendo tido um conjunto de preceptores que lhe permitiram ultrapassar a inexistência de ensino público de qualidade na ilha. Demonstrando grande inteligência e aplicação, aprendeu precocemente o latim, completando os seus estudos com apenas 9 anos de idade e sendo capaz, aos 10 anos de ler as obras de Catão na língua original.
"O pai enviou-o para Paris em 1838, onde frequentou o Colégio de Fontenay-aux-Roses, então dirigido pelo egresso miguelista frei José da Sacra Família. Não se adaptou, regressando pouco depois aos Açores.
"Em 1840 matricula-se na Universidade de Coimbra como aluno da Faculdade de Matemática. Iniciado o curso, interrompe os estudos para regressar a Ponta Delgada onde a família lhe tinha arranjado casamento com a rica herdeira de vínculos nas ilhas de São Miguel e Faial D. Maria Guilhermina Taveira Brum da Silveira, que então tinha 15 anos de idade.
"Casa com apenas 22 anos de idade e dedica-se de imediato à administração das grandes propriedades pertencentes à esposa. Com grande determinação e uma visão iluminista da sociedade, decide-se introduzir grandes mudanças na forma como a propriedade era gerida e nas técnicas agrárias utilizadas.
"Contrata técnicos no estrangeiro, assina as revistas internacionais de agricultura e inicia um percurso de tentativa de reforma da agricultura micaelense. Para mobilizar esforços em torno do seu projecto, promove a fundação da Sociedade Promotora da Agricultura Micaelense, ensaiando sob a sua égide novas culturas e plantas. Contribui para a publicação do periódico Agricultor Micaelense, órgão da Sociedade Promotora, provavelmente a primeira publicação agrícola lusófona. Entre as culturas que ensaiou estão o ananás, o chá. Nas suas propriedades dos arredores de Ponta Delgada e das Furnas ensaia a aclimatação de múltiplas plantas, entre as quais a camélia e a criptoméria, hoje muito expandidas no arquipélago.
"Nunca se interessou pela política. Quando o convidaram para ser deputado, recusou, publicando um manifesto com as razões do seu acto. Contudo teve um papel decisivo na obtenção junto do governo português do diploma que autorizou a construção da doca de Ponta Delgada. Ainda assim aceitou presidir à Junta Geral do Distrito de Ponta Delgada no ano de 1878.
"José do Canto teve uma acção benemerente assinalável, financiando diversas instituições de solidariedade social, entre as quais um asilo na Ribeira Grande.
Interessado pela jardinagem e pela botânica, José do Canto concebeu a construção de um grande jardim, ao estilo inglês, a instalar numa leira de terras pertencente à sua esposa sita, então, nos arredores norte de Ponta Delgada, nas imediações da antiga ermida de Santana. O jardim, hoje conhecido por Jardim José do Canto, construído a partir de 1845 com projecto do arquitecto londrino David Mocatta, tem marcada influência inglesa do período vitoriano, com grande variedade botânica e notável beleza paisagística.
"Com cerca de 6 hectares e mais de 6 000 espécies de árvores e arbustos, o Jardim José do Canto é o exemplar mais representativo dos jardins botânicos criados por diversas famílias açorianas a partir do final do século XVIII. Contíguo ao jardim do Palácio de Santana, residência oficial do presidente do Governo dos Açores, o jardim contém no seu interior e periferia diversas construções de interesse, nomeadamente o monumento a José do Canto, o solar (século XVIII), uma antiga estufa de traça vitoriana adaptada a pavilhão, e a ermida de Santana (século XVII). O conjunto do jardim, palácio e estufa foi classificado como Imóvel de Interesse Público, funcionado actualmente como uma unidade de turismo de habitação.
"Também se deve a José do Canto a construção, nas margens da Lagoa das Furnas, da Capela de Nossa Senhora das Vitórias um belíssimo edifício neo-gótico classificado como Imóvel de Interesse Público. Nas proximidades existe outro parque botânico, também construído por José do Canto como local de aclimatação para as plantas que importava.
"José do Canto foi também um apaixonado bibliófilo e camonista coleccionando uma biblioteca pessoal com cerca de 18 mil títulos, editados do século XV ao século XIX, que, entre outras preciosidades, incluía um exemplar da primeira edição de Os Lusíadas. A colecção, resultante das múltiplas compras que José do Canto fez nos Açores e a vários alfarrabistas em Portugal, França e Inglaterra, constitui, desde Maio de 1942, um dos fundos integrados na Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Ponta Delgada.
"A colecção camoniana de José do Canto é considerada como a segunda melhor existente, reunindo todas as edições de Os Lusíadas saídas a público em português até 1898, ano da morte de José do Canto, o que corresponde a cerca de 110 edições, publicadas entre 1572 e 1892. Estão ainda incluídas 105 edições em várias línguas, incluindo húngaro, alemão, inglês, francês, italiano, espanhol, russo e japonês.
"A colecção contém quase todas as primeiras edições de autores portugueses contemporâneos de José do Canto, como Alexandre Herculano, Antero de Quental, Camilo Castelo Branco e Eça de Queirós, e ainda primeiras edições das obras de Charles Darwin, Alexandre Dumas (pai) e Alexandre Dumas (filho).
"Foi sócio da Academia das Ciências de Lisboa, eleito a 9 de Julho de 1897, e de múltiplas outras agremiações científicas e culturais.
"Tentou educar os filhos na França e Alemanha, mas não foi bem sucedido. Ambos sofreram perturbações mentais e faleceram precocemente. Faleceu desgostoso com a vida, sendo sepultado na Capela de Nossa Senhora das Vitórias, que construíra especificamente para servir de mausoléu da família nas margens idílicas da Lagoa das Furnas".
Em bom estado geral de conservação.

50,00 €
8752

CATALOGO
De uma importante Livraria que pertenceu a um bem conhecido e já fallecido bibliophilo de Braga, que será vendida em leilão (...). Livros raríssimos, relativos a Portugal, possessões e estrangeiro, Chronicas, Poesias, Bibliographia, Historia (...).
Porto. 1903. Typ. a vapor de Arthur Jose de Souza. In-8º de 232 págs. Enc.
Interessante catálogo de Leilão, especialmente rico em camiliana e camoneana.
O exemplar pertenceu ao conhecido escritor Matias Lima, do qual tem uma assinatura no frontispício e um bonito ex-libris.
Encadernação antiga com bonita e sóbria lombada em pele.
Em bom estado de conservação, com alguns normais sinais de manuseamento e do tempo.

30,00 €
8773

CATÁLOGO DA BIBLIOTECA DO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO NACIONAL
Vol. I.
Lisboa. Ministério da Educação Nacional. Divisão de Documentação. 1973. In-4º de 355-I págs. Br.
Trata-se do 1º vol. dos dois editados.
Em bom estado de conservação.

15,00 €
2695

CATÁLOGO III FERIA INTERNACIONAL DEL LIBRO ANTIGUO
Gran Hotel Reina Victoria. Del 18 al 20 de noviembre 1994. Madrid - 1994.
Adscriptio Iberica Librariae Antiquariorum. Madrid. [1994]. In-4º gr. de 144-XVI págs. Br.
Exemplar como novo.
Com a relação de todos os livreiros antiquários participantes e as melhores obras oferecidas.
Ilustrado com várias dezenas de reproduções de livros, frontispícios, etc, a negro e a cores.

20,00 €
3494

CROS (JOÃO DU) - LIVRO DO ARMEIRO-MOR
Organizado e iluminado por João du Cros e Precedido de um Estudo de António Machado de Faria Académico Correspondente.
Academia Portuguesa de História. Lisboa. MCMLVI [1956]. In-4º gr. de 291-I págs. das quais 128 são reproduções dos brasões. Enc.
Primeira edição do manuscrito iluminado quinhentista, geralmente atribuído a João du Cros, ilustrado com centenas de soberbas reproduções a cores de antigos brasões.
Encadernação editorial. Inclui caixa de protecção em cartão.
Tiragem limitada a 500 exemplares.
Em perfeito estado de conservação.
INVULGAR.

600,00 €
3616

CROS (JOÃO DU) - LIVRO DO ARMEIRO-MOR
Organizado e iluminado por João du Cros e Precedido de um Estudo de António Machado de Faria Académico Correspondente.
Academia Portuguesa de História. Lisboa. MCMLVI [1956]. In-4º gr. de 291-I págs. [aliás 165 págs.]. Br.
Primeira edição do manuscrito iluminado quinhentista, geralmente atribuído a João du Cros.
Exemplar apenas com o texto, sem as reproduções dos brasões.
Tiragem limitada a 500 exemplares.
Em perfeito estado de conservação.
INVULGAR.

50,00 €
9501

DIONÍSIO (SANT'ANNA) - MUSEU-BIBLIOTECA DE VILA VIÇOSA
Ilustrações de António-Lino.
Fundação da Casa de Bragança. MCMXLVII [1947]. In-4º de 199-IX págs. Enc.
Interessante estudo de José Augusto Sant'Anna Dionísio (1902-1991).
Obra de apelativo aspecto gráfico, ilustrada por António-Lino com graciosos desenhos ao longo do texto e várias fotografias a negro em folhas à parte.
O nosso exemplar PERTENCE À RARA TIRAGEM ESPECIAL PARA BIBLIÓFILOS DE 300 EXEMPLARES EM PAPEL PLUMA NUMERADOS E ASSINADOS POR SANT'ANNA DIONÍSIO.
Livro em bom estado de conservação, apresentando alguma normal acidez e sinais do tempo. Canto superior esquerdo da capa anterior da brochura com pequeno rasgão.

50,00 €
10003

FERREIRA (MANUEL) - CATÁLOGO DA BIBLIOTECA DO ILUSTRE BIBLIÓFILO ENGº ANTÓNIO DE ALMEIDA MARQUES
Elaborado por MANUEL FERREIRA Livreiro-Alfarrabista.
Soares & Mendonça, Ldª. Lisboa. 1996. In-8º gr. de 305-III págs. Br.
Catálogo de importante biblioteca, repleto de informações bibliográficas de perto de 2400 livros, alguns bastante raros e com a reprodução ocasional de vários frontispícios das obras em leilão.
Como novo.

15,00 €
3917

FONSECA (MARTINHO AUGUSTO DA) - CATALOGO RESUMIDO DA PRECIOSA COLECÇÃO DE MANUSCRITOS DA CASA CADAVAL
por Martinho da Fonseca. Do Instituto de Coimbra, do Gabinete portuguez de leitura do Rio de Janeiro, da Sociedade de bibliophilos Barbosa Machado, etc.
Lisboa. 1915. [Typographia Universal]. In-8º gr. de 48 págs. Enc.
De uma carta de Martinho da Fonseca estampada no início deste trabalho: "Nada conheço que, mesmo de longe, se compare ao que existe [na biblioteca da Casa Cadaval] quer em quantidade quer em qualidade, avultando os documentos de subido valor uns relativos ao continente outros respeitantes ao ultramar, muito inéditos e desconhecidos, que um dia, ao serem publicados, devem derramar muita luz em varios capítulos da historia patria".
Edição de apenas 60 exemplares numerados (ex. nº25), em separata do "Boletim da Sociedade de Bibliophilos Barbosa Machado".
Exemplar em excelente estado de conservação; tem bonito ex-libris do Conde de Sucena e rótulo referente ao "Registo de entradas" onde se fica a saber a sua proveniência do leilão Moraes (1927).
Encadernação simples em tela com os dizeres da lombada gravados a ouro em rótulo de pele vermelha.

50,00 €
5795

GONÇALVES (A. MAIA) - JORNAIS DE MATOSINHOS
Contributos para a sua história.
Editorial Maresia. Matosinhos. 2002. In-8º de 231 págs. Br.
Interessante estudo sobre a história de várias dezenas de jornais de Matosinhos, entre os quais, "O Monitor de Bouças", "Lucta de Bouças", "A moderna edade", "O Progresso", "O Vigilante", "A Verdade", "O Liberal", "O Democrata", "O Comércio de Leixões", "O Piparote", "O Arauto", etc.
Ilustrado com várias reproduções dos cabeçalhos das publicações e de personalidades a elas ligadas.
Bom exemplar, com dedicatória do autor.

15,00 €
3830

GONÇALVES (J. CARDOSO) - UMA JÓIA DA ILUMINURA PORTUGUESA
O Missal Pontifical de Estevão Gonçalves Neto. Por...
Edições Pátria. Gaia. MCMXXXI [1931]. In-8º de 64-IV págs. Br.
"Temos sôbre a mesa a reprodução do Missal Pontifical de Estevão Gonçalves Neto, notável códice iluminado do século XVII (...)".
Obra ilustrada com diversas estampas coladas artesanalmente e outras impressas em extra-texto, a negro e a cores.
Título publicado na apreciada colecção "Estudos-Nacionais".
Exemplar em bom estado de conservação, com ínfimos sinais do tempo.

25,00 €
8697

GONÇALVES (J. CARDOSO) - UMA JÓIA DA ILUMINURA PORTUGUESA
O missal pontifical de Estevão Gonçalves Neto.
Edições Pátria. Gaia - Portugal. MCMXXXI [1931]. In-8º de 64 págs. Br.
"Temos sôbre a mesa a reprodução do Missal Pontifical de Estevão Gonçalves Neto, notável códice iluminado do século XVII (...)".
Obra ilustrada com diversas estampas coladas artesanalmente à cabeça e outras impressas em extra-texto, a negro e a cores.
Título publicado na apreciada colecção "Estudos-Nacionais".
Miolo em bom estado de conservação; capa da brochura com acidez e sinais do tempo.

25,00 €
5886

JOAQUIM CARDOSO VITÓRIA VILANOVA
Litógrafo Portuense do Séc. XIX.
Biblioteca Pública Municipal do Porto. 1996. In-8º de 30 págs. Br.
Catálogo ilustrado da exposição realizada sobre a vida e obra de Joaquim Vilanova.
Bom exemplar.

7,50 €
7096

LEITÃO (JOAQUIM) - E DE TUDO SE LAVROU ÊSTE AUTO...
Primeira exposição de ex-libris em Portugal.
1928. [Composto e impresso na Oficina do "Tombo Histórico"]. In-8º de 29-III-LXXXII-VIII págs. Br.
Trabalho publicado em rara separata do Archivo Nacional de Ex-Libris, com uma tiragem de apenas 150 exemplares numerados (ex. nº 37) e assinados por Joaquim Leitão. Ilustrado com várias reproduções de ex-libris e uma fotografia de "La Commission organisatrice de la Premiére Exposition d'Ex-libris au Portugal, accompagnant son Exme. le Président de la République Portugaise lors de sa visite a l'Éxposition".
Exemplar desencadernado, por abrir mas com sinais de manuseamento e falhas de papel ao nível da capa anterior da brochura.

30,00 €
7026

LIVROS RAROS. CATÁLOGO Nº 2 - 1959
Cartas autógrafas de escritores e políticos. Documentos originais manuscritos.
Biblarte, LDA. Lisboa. 1953. In-8º de 114 págs. Br.
Catálogo periódico de livros raros e antigos, editado pela Biblarte.
Em bom estado de conservação.

7,50 €
6582

MACHADO (DIOGO BARBOSA) - BIBLIOTECA LUSITANA
Histórica, Crítica e Cronológica por... Segunda edição. Tomo I [a Tomo IV].
Lisboa. 1930 [a 1935]. 4 vols. In-4º de LXXXIV-II-746-XIII + 851-XIV + 781-X + 642-V págs. Enc.
Trata-se da 2ª edição desta obra monumental, feita a partir da edição princeps de 1747, ainda hoje de consulta obrigatória no campo dos estudos bibliográficos portugueses e com uma tiragem declarada de apenas 500 exemplares. Inclui um bom retrato de Diogo Barbosa Machado e a reprodução a duas cores e em folhas à parte, dos frontispícios originais da obra, um por cada tomo.
Bonitas e sólidas ncadernações antigas, inteiras em pele, em estilo setecentista, com as lombadas decoradas com 5 nervuras, ferros a ouro e dois rótulos vermelhos com dizeres gravados também a ouro. As pastas são ambas circundadas por elegante filete. Capas das brochuras conservadas.
Conjunto em bom estado de conservação sem qualquer defeito a destacar.
INVULGAR.

500,00 €
9515

NEVES (ADELINO VIEIRA) - O EX-LIBRIS MAIS ANTIGO IMPRESSO EM PORTUGAL
(Separata do Boletim da Academia Portuguesa de ex-libris).
MCMLV. Escola Profissional de Santa Clara. Vila do Conde. In-4º de 10-II págs. Br.
Rara separata com uma tiragem limitada a 200 exemplares numerados e assinados pelo autor, de grande interesse para o estudo da ex-librística.
Em bom estado de conservação mas com o miolo separado da capa da brochura.

10,00 €
9732

PINTO (AMÉRICO CORTEZ) - DA FAMOSA ARTE DA IMPRIMISSÃO
Da Imprensa em Portugal às Cruzadas d'Além-Mar.
Lisboa. Editora "Ulisseia", Limitada. MCMXLVIII [1948]. In-4º gr. de 507-V págs. Enc.
Estudo monumental e de absoluta referência sobre a história da impressão e do livro. Aliás a própria obra em si constitui um marco das artes gráficas portuguesas do pós-guerra, impressa em bom papel encorpado, com frontispício a duas cores ao estilo setecentista e várias estampas em "hors-texte". Edição numerada e assinada pelo autor.
Encadernação editorial em cartão, imitando pergaminho.
Exemplar com o miolo em muito bom estado de conservação; a encadernação, ainda bastante sólida, apresenta alguma sujidade (por ser bastante clara) e pequenas marcas do tempo.

75,00 €
4011

SÁ (VICTOR DE) - BIBLIOGRAFIA QUEIROSIANA
Contendo o pequeno ensaio PANORÂMICA DO LIVRO EM PORTUGAL.
Edição da Biblioteca Móvel. Braga. 1945. In-8º de 76 págs. Br.
Com dedicatória do autor.
Exemplar em bom estado de conservação

15,00 €
3192

SANTOS (JOSÉ DOS) - CATÁLOGO DA IMPORTANTE E PRECIOSISSIMA LIVRARIA QUE PERTENCEU AOS NOTAVEIS ESCRITORES E BIBLIÓFILOS CONDES DE AZEVEDO E DE SAMODÃES
Enriquecido de notas bibliográficas e noticias de varias edições de muitas das obras descritas. E tambem de numerosos "fac-similes" de portadas, frontispicios, paginas, gravuras, registos de lugar e de data de impressão das mesmas obras, etc.
MCMXXI. Tip. da Empresa Literária e Tipográfica. Porto. 2 vols. In-4º de XII-690-II + VIII-870-II págs. Enc.
Introdução de Anselmo Braamcamp Freire.
Catálogo notável da mais preciosa biblioteca privada portuguesa de sempre.
José dos Santos descreve com toda a minucia e profissionalismo mais de 3700 espécimes bibliográficos quase todos raros e valiosos.
Ainda hoje este catálogo é referenciado para descrever certas peças, sendo portanto um imprescindível instrumento de consulta para quem lida com o livro antigo.
Encadernação simples em tela cinzenta; os dizeres estão escritos a ouro em rótulo de pele na lombada.
Conserva as capas das brochuras e tem interessantes anotações coevas a lápis ao longo do texto, nomeadamente os preços atingidos por cada lote.
Em bom estado de conservação.
RARO.

650,00 €
4635

SEQUEIRA (GUSTAVO DE MATOS) - A ABELHEIRA E O FABRICO DE PAPEL EM PORTUGAL
(História de uma propriedade e de uma fábrica). Followed by a résumé in English, with the addition of some interesting documentary evidence by Mrs. R. Garland Jayne.
1935. In-4º de 98 págs. inum. + 21 flhs. estampas. Enc.
Além de um interessante capítulo para a história do fabrico de papel em Portugal, é também uma apreciável monografia local. Com ilustrações em separado, em que se inserem marcas de água e duas belas estampas desdobráveis, representando uma delas, a cores, a "Planta topográfica do logar de São Julião do Tojal...", antiga, onde se situa a importante fábreica de que trata esta monografia.
Edição privada, provavelmente destinada a ofertas.
Encadernação editorial em tela, estando ambas as pastas decoradas com ferros a seco e dizeres a ouro.
Exemplar em bom estado de conservação.
MUITO INVULGAR.

120,00 €
6583

SOARES (ERNESTO) - GUIA BIBLIOGRÁFICA
Diccionario BIBLIOGRAFICO PORTUGUEZ. Estudos de Innocencio Francisco da Silva aplicáveis a Portugal e ao Brasil. Tomo vigésimo terceiro.
Coimbra. Biblioteca da Universidade. MCMLVIII. In-4º de XXVIII-II-762-II págs. Enc.
Obra absolutamente indispensável como complemento ao Dicionário de Inocêncio, com entradas pelos nomes próprios, apelidos e títulos das obras publicadas anónimas.
Elegante e sólida encadernação com lombada e cantos em pele; conserva as capas da brochura e está ao de leve aparada e carminada à cabeça.
MUITO INVULGAR.
Exemplar em muito bom estado de conservação.

100,00 €
3244

TRATADO DE CONFISSOM
(Chaves, 8 de Agosto de 1489). Fac-símile. Leitura diplomática e estudo bibliográfico por José V. De Pina Martins.
Imprensa Nacional-Casa da Moeda. Lisboa. 1973. In-4º de 281-II págs. Br.
O Tratado de Confissom foi impresso em Chaves em 1489, de autor desconhecido, sendo considerado o segundo mais antigo livro impresso em português (o primeiro, segundo parece, será o "Sacramental" de 1488).
Apenas se conhece um único exemplar e a que falta o frontispício.
Leitura diplomática e estudo bibliográfico por José V. de Pina Martins.
Obra impressa em bom papel bastante encorpado.
Exemplar como novo, por abrir.

50,00 €
6925

VILHENA (JOÃO JARDIM DE) - A MARTINHADA
Uma raridade bibliográfica.
Coimbra. Biblioteca da Universidade. 1943. In-8º de 11-I págs. Br.
Separata do "Boletim da Biblioteca", vol. XVI.
"Quanto à Martinhada muito há que dizer. Creio que é o livro mais raro de toda a bibliografia portuguesa (...)".
Opúsculo em bom estado de conservação.

7,50 €
Página produzida pelo programa CaTema, de AFAsoft          © 2009 António F. Amorim